Ministério resgata mais de 700 vítimas do tráfico sexual
30/07/2017 - 17h07 em Informação

O grupo pró-vida Operation Save America (OSA) tem entrado em embate com a clínica de abortos EMW Women’s Surgical Center. Protestos pacíficos, do lado de fora, tem ocorrido.

A clínica localiza-se na cidade de Louisville, no estado de Kentucky, nos Estados Unidos da América (EUA). Para que não haja violência, a polícia se concentra do lado de fora da clínica, onde ocorrem os protestos.

Um dos integrantes do grupo afirmou que “Este é um holocausto que está ocorrendo em nossa terra, são 4.000 crianças mortas todos os anos, então nós nos opomos a isso”. O médico responsável pela clínica, por outro lado, se disse incomodado com a situação.

Na última semana, um juiz federal determinou que os protestos não poderiam ocorrer em frente a clínica. Quem ultrapassar o perímetro deve ser multado. A ação, segundo as autoridades, se deve por ser a única clínica ainda aberta na região.

“Duas clínicas de aborto foram fechadas, mas ainda temos uma restante, e sentimos que o estado de Kentucky está pronto para ser o primeiro sem nenhuma clínica deste tipo”, disse o pastor Joseph Spurgeon.

“Muitos [médicos] residentes de Kentucky permanecem cegos da verdade por mentiras e propaganda dos abortistas. Eles ainda chamam o aborto de uma escolha… um direito… um problema de saúde da mulher”, disse Mark Harrington, diretor de uma organização contra o aborto, em comunicado divulgado pela CBN.

A tensão se dá pelos diferentes pontos de vista. Enquanto os integrantes do grupo pró-vida dizem que a decisão fere os direitos de protesto, os movimentos pró-aborto afirmam que a ação jurídica permite a privacidade das mulheres que entram na clínica.

“Eles querem criar uma zona de segurança para evitar que os cristãos tentem salvar essas vidas através da ministração do Evangelho”, afirmou o pastor Rusty Thomas.

“Nós realizamos um culto justamente em frente aos portões do inferno. Nós não fazemos nada diferente do que fazemos na igreja. A única diferença é que estamos saindo dos templos. Estamos tentando ser o sal da Terra e a luz do mundo”, disse o líder.

COMENTÁRIOS